O último da grande e ótima leva do final do século XX
29/11/2017 10:45 em Novidades

Os anos 1990 foram marcantes para nós Palmeirenses e para todos aqueles que amam futebol, sobretudo o futebol brasileiro.

Anos de Edílson, Edmundo, Evair e Zinho! De São Marcos! De Alex, Djalinha e de tantos outros!

De Roberto Carlos nascendo no União São João de Araras e ganhando o mundo depois do PALMEIRAS!

Anos do “Carrocel Caipira” lá de Mogi-Mirim: Valber, Rivaldo e Leto - e como jogava o craque que começa com a letra “R”…

“R” bendito, aliás…

Além de Rivaldo, os anos 90 foram de Romário, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho - que precocemente aparecia pro mundo no finalzinho daque século…

Os 90 também foram do “r” no final, do garoto de ouro da Portuguesa, de vida curta e fim trágico, do craque Dener!

Década de 1990 das arquibancadas de cimento, de torcidas organizadas cada vez maiores, do pular, cantar e vibrar em pé, até ficar rouco, e com bandeiras tremulando livremente ao som dos instrumentos de percussão – mesmo nos estádios de São Paulo!

Tempo bom! Tempo ótimo! Tempo que definitivamente parecem ter ficado pra trás…

A grama sintética, o futebol de vídeo-game, as chuteiras coloridas, as tatuagens que colocam a pele e o manto em segundo plano e as Arenas plastificadas mostram a distância que o novo século impôs entre a arte e o pragmatismo, entre o sujeito que inventa e o sujeitado que repete, entre o tal “futebol raíz” e o tal “futebol Nutella” - outra bobagem do momento…

E Zé Roberto foi o último dos que vieram daquela outra época.

O cara que fez peneira no areião da Portuguesa, que estreou em 1994, que comeu grama, que correu com camisas muito maiores que seu corpo franzino, diante de torcedores que iam para o estádio com camisas esfarrapadas… deixou o futebol.

 

Zé ao parar e jogar suas medalhas no lixo – literalmente – enterrou os anos 1990!

 

Contudo, recupero uma palavra que insistiu em suas falas finais: “LEGADO”.

Toda sua experiência, toda a vivência de um outro, importantíssimo e inesquecível tempo, não será perdida.

Zé Roberto aceitou o convite da diretoria do nosso PALMEIRAS e, a partir de janeiro, assumirá o cargo de Acessor Técnico, com participação direta no futebol!

 

 

E a nossa Sociedade Esportiva PALMEIRAS contribui de novo para o futebol brasileiro como um todo!

 

Podemos dizer que Zé Roberto será uma espécie de ponte entre Cícero Souza (gerente de futebol) e Alexandre Mattos (diretor), a comissão técnica e o elenco.

Assim, o gigante Zé ganha o reconhecimento merecido.

Ganha também o PALMEIRAS, que se agiganta mais.

Ganha também a ainda promessa Roger Machado, que iniciou sua trajetória como técnico recentemente e já experimentou o caldeirão de um elenco como o que tem o Galo.

O PALMEIRAS, vem para o 18 com um elenco visivelmente instável, com peças que não primam pela polidez, como são os casos de Lucas Lima, de Weverton e, porque não dizer, de Diogo Barbosa.

Diante desse quadro, Zé tem muito a contribuir e ensinar.

Espero apenas que o ouçam.

 

Tarefa difícil para essa geração, que gosta mais de repetir do que refletir.

 

Luciano Deppa Banchetti - desenvolvedor da Web Rádio Porco, historiador, professor e, claro, PALMEIRAS de alma e coração verde-palestrino.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!