Primeiro Dérbi
22/02/2018 - 10h18 em Novidades

Aos 15 anos, pela primeira vez, iria a um Dérbi!

Seria, inclusive, a primeira vez que iria assistir a um jogo no estádio sozinho.

Não é que não tivesse experiência alguma. Mas, ela se resumia ao Pacaembu, ao Parque Antártica, em jogos contra times pequenos ou de outras cidades. E sempre na companhia segura, tranquila, pacata e – não por isso menos fanática – do seu pai.

Aquele Palmeirense morador da periferia de São Paulo, finalmente iria descobrir o que significava sair de Carapicuíba, de busão, só ele e Deus, para um PALMEIRAS x Corinthians, no Morumbi. Algo que, evidentemente, exigia mais que saber dar sinal para o motorista e descer no ponto certo, além de caminhar um outro tanto.

 

Até que chegou aquele 1º de Setembro de 1991! Dia de aniversário do rival, fato que aquele moleque reconhecia tanto quanto as dificuldades que enfrentaria para ir a um clássico, ou seja, nada.

Chovia. Fazia até um pouco de frio.

Ele dá o tradicional sinal. Adentra ao coletivo, e... claro, se depara com uns caras… caras da organizada rival.

O pior é que os do outro lado acharam aquilo estranho, custaram para entender que realmente aquele carinha que envergava uma camisa surrada do PALMEIRAS, sem patrocínio, estava só!

Um deles, que dava o dobro de seu tamenho, era alguém conhecido do bairro, só de vista, mas era conhecido… e para a mais profunda “sorte” de todos – já que violência faz mal até para os que a praticam – com certo custo, aquele sujeito todo uniformizado fez os demais rivais deixarem a viagem seguir pacificamente, apesar do clima hostil.

Ele não deixou de ouvir do rival que rezasse, pois poderia aparecer outros caras naquele mesmo busão. Ao mesmo tempo, recebeu algumas coordenadas, informações necessárias pra que, ao menos, permanecesse vivo naquelas próximas horas…

 

E não é que chegou ao Morumbi!!!! 

Sentiu aquela arquibancada úmida, gelada, daquele clássico de numa época do futebol brasileiro em baixa. Esvaziado dos dois lados… mas que aos poucos, contraditoriamente, o incendiou!

De repente, se deu conta que estava lá, em meio aos Manchas, curtindo tudo o que envolvia a rivalidade: torcidas e jogadores envolvidos num jogo duro, de gramado pesado e um gol de bola parada!

Gol do nosso 10, Edu Marangon! Era mais uma festa em cima dos freguêses preferidos!!! Dessa vez, in loco!!!

 

Ao fim do jogo, saiu do estádio com a adrenalina à mil, mas sem temor. Já se sentia ambientado!

 

O saldo desse dia: um currículo de torcedor que se iniciava com a vitória no Dérbi, as primeiras amizades de arquibancada, a chegada em casa são e salvo e o pensamento de  que 1 a 0 contra eles também pode ser uma goleada!

O pensamento hoje, quase 30 anos depois: acresce ao aprendizado daquele 1º de setembro de 1991, que a expressão “rivais sim, inimigos nunca” faz todo sentido.

 

1º de Setembro de 1991, Campeonato Paulista, 1º Turno. Morumbi (São Paulo).

Renda: Cr$ 48.038.000,00; Público: 21.510.

Gol: Edu Marangon 16’ do 1º Tempo.

PALMEIRAS: Ivan, Odair, Toninho Cecílio, Luís Eduardo e Biro; Júnior, Betinho (Marques) e Edu Marangon; Jorginho, Evair (Vlademir) e Wagner. Técnico: Nelsinho Baptista.

Os outros: Ronaldo, Giba, Marcelo Djian, Guinei e Jacenir; Wilson Mano (Fabinho), Jairo e Ezequiel; Paulo Sérgio, Dinei e Tupãzinho. Técnico: Cilinho.

Veja o gol no canal do Youtube “PALMEIRAS 1914 Vídeos Amor Eterno”. (clique aqui para ver o gol)

 

Luciano Deppa Banchetti - desenvolvedor da Web Rádio Porco, historiador, professor e, claro, PALMEIRAS de alma e coração verde-palestrino.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!